terça-feira, 11 de abril de 2017

Trabalhadores param a Argentina em resposta contundente a Macri

Greve geral repudiou política de arrocho salarial, desemprego e
tarifaço do desgoverno neoliberal

Leonardo Wexell Severo

Os trabalhadores argentinos responderam com uma vibrante e massiva paralisação, na última quinta-feira (6), aos reiterados ataques feitos pelo desgoverno do presidente Mauricio Macri contra o seu poder de compra e o desenvolvimento econômico e social do país. A greve geral  em repúdio à política de arrocho salarial, desemprego e tarifaço, iniciou à meia noite de quarta-feira com ônibus, caminhões e até aviões suspendendo os serviços. Apesar da violenta repressão - que usou e abusou dos cacetetes, jatos de água e gás de pimenta -, da liberação dos pedágios e até mesmo da franquia nos estacionamentos da capital, Buenos Aires, o acatamento à convocatória das centrais sindicais alcançou os 90%.